9.10.2006

UM POR DO SOL

Domingo à tarde, já de retorno em Salvador. Na terça, voltarei a Porto Seguro. Espero que a Flávia esteja certa e a chuva tenha mesmo passado.

Aqui, também, tempo nublado. Fim de semana, uma overdose de filmes. E a constatação de que devo estar ficando velho: ando tão sensível, que quase me comovi num filme do Chuck Norris... é o fim da picada!

Ou, talvez, não. Há momentos em que estamos... como direi? Mais vulneráveis, mais sensíveis. Muitas vezes, as circunstâncias da vida nos deixam assim. Chora-se por uma música, um perfume, até uma lembrança. Chora-se, aparentemente, por nada. E, paradoxalmente, é nestes momentos que nos sentimos mais vivos.

Isto, aliás, me faz lembrar o por-do-sol na praia de Jacaré, pertinho de João Pessoa. Em uma viagem de 15 dias pelo Nordeste, que incluiu Aracaju, Maceió, João Pessoa, Natal, Fortaleza e Porto de Galinhas, vi muitas coisas lindas. Inclusive o Beach Park, praias cristalinas e até uma lagoa de água mineral.

Entretanto, o que ficou marcado, mesmo, foi esse por-do-sol. Numa barraca de madeira, à beira d'água, vendo o sol mergulhar, ao som do Bolero de Ravel, tocado num saxofone, ao vivo. É indescritível, acreditem! Mesmo porque palavras jamais poderão descrever sentimentos.

São 3 barracas, enormes, uma ao lado da outra e todas repletas de gente. Calculo que, no minímo, umas 300 pessoas, acotovelando-se para ver e fotografar o saxofonista, falando alto, disputando os melhores lugares. Garçons passando, atendendo pedidos, clientes fazendo novos pedidos; total desrespeito, pela beleza única do momento.

Em meio a toda aquela Babel, eu me senti ilhado, como se estivesse viajando, voando, habitando em outro mundo. Um mundo de cores, de sons; de tristeza, sim, mas também daquela felicidade imprecisa que a sensação de beleza nos traz.

Acredito que, pela primeira vez, senti toda a beleza do crepúsculo. Entendi porque o seu nome, em inglês: "twilight time", ou seja, "tempo de duas luzes". A do sol, que se vai, e a da lua, que se espalha pela Terra, trazendo o descanso e favorecendo os sonhos. Eu jamais havia pensado nisto.


Foram poucos minutos, mas ficaram marcados; momentos meus, intensos, profundos. Independente de paixões, de amores. Algo que transcende a fronteira do pessoal, quase uma integração ao Cosmo; a emoção da pura beleza. Nunca mais, o por-do-sol foi o mesmo. Nem o foi o Bolero de Ravel.

Como eu disse, devo estar ficando velho. E, neste sentido, abençoada velhice!...

37 Comments:

Anonymous Júnior said...

Flávio, você tem mesmo alma de poeta. Mas a verdade é que temos momentos assim, de mais sentimentos.

10:05 PM  
Blogger Janaina Staciarini said...

Linda foto, Flávio. Envelhecer é quase sempre sinônimo de melhor aproveitar as coisas belas. Envelheça bem.

10:22 PM  
Blogger Flávio said...

Júnior: e existe isso, "alma de poeta"? Ou é assim com todos nós? :) Abração

11:03 PM  
Blogger Flávio said...

Janaína, eu juro que venho tentando... há um bom tempo! :)

11:04 PM  
Blogger Claudio said...

Envelhecer é somar experiências e nisso você tem demonstrado, através dos seus textos, que você é muito bom.

Boa semana

11:10 PM  
Anonymous Lourdinha said...

Não foi à toa que durante muito tempo falei a você sobre a beleza indescritível do por do sol do Jacaré,considerado o segundo mais bonito do Brasil - perde apenas para o do Arpoador, que é aplaudido no seu encerramento.
Fico contente em ler, mais uma vez, sobre seu deslumbranmento com o espetáculo! Volte quantas vezes quiser ou puder... só me avise, na próxima! rsrsrs

11:45 PM  
Blogger Flávio said...

Brigadão, Cláudio. Boa semana pra você também! :)

12:05 AM  
Blogger Flávio said...

Lourdinha, não sei se perde para o do Arpoador, não; no Rio não tem Jurandir, tocando o Bolero. Realmente, foi uma sensação única... pena que é tão longe! ;)

12:08 AM  
Anonymous cilene said...

nao estou mantendo os dois blogs,so o cilene.com...mas enquanto nao fecho o outro coloco as mesmos post la...o Historia do mundo tem rank 4..e o cilene.com..rank zero.

9:11 AM  
Blogger Flávio said...

Entendi, Cilene... então, posso manter o link! :) Abração

9:31 AM  
Blogger Cristiano Contreiras said...

Só quero ver se o sr, sábio conterrâneo, não vais me adicionar no orkut ou participar de um encontro bloguístico, rs...

abraços

10:24 AM  
Blogger Flávio said...

Cristiano, eu não tenho Orkut; não gosto. Serve o MSN? :) Qt ao encontro bloguístico... é só marcar! Abração

10:50 AM  
Blogger ajornalistabh said...

hummmmmmmmmm
nada melhor e mais belo que um por do sol inesquecível.....
lindo texto flávio
e aqui, já está passando da hora de te linkar, posso??
beijos!!

2:43 PM  
Anonymous Clara said...

Não.... não está ficando velho... agora sim é que está nascendo pra vida... enxergando-a com tanta sensibilidade e pureza. As lagrimas de alegria e satisfação num momento de contemplação, são dádivas daqueles que sabem ver a vida com os olhos do coraçao...

Então, meu querido..... bem-vindo à vida...

E chore sempre.... isso faz tão bem!!!

Beijo e linda semana.

(ah.... ja tem post novinho...te espero lá)

3:51 PM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

Envelhecer é sinal de sensibilidade? De amor ao espetacular da natureza? É curtir momentos de solidão compartilhada? É maravilhar-se com o por do sol? É sentir olhos mareados ao nos darmos conta do privilégio em estar vivo? É poder registrar em imagem a fantástica beleza do "tempo de duas luzes"? É ter noção que habitamos um dos mais belos lugares desse mundão de meudeus?
Então meu querido, estou velha faz muito tempo...bem vindo anjo! rsss
lindos dias
beijossssssssssss

4:53 PM  
Anonymous Anônimo said...

Flávio, você está passando por uma fase de renascimento. Alguns valores e sentimentos, que julgava perdidos, ora se descortinam e lhe dão uma visão diferente de mundo, de vida. Se emocionar com um belo espetáculo da natureza, ou, com qualquer outra coisa é algo que transcende ao material e exige de nós uma sintonia harmônica com nosso “Eu”. Isso é totalmente contrário de envelhecer. É evoluir espiritualmente. É renascer pra uma vida plena. Aproveite o quanto puder esse momento e seja feliz! Você merece!

5:32 PM  
Blogger Flávio said...

À vontade, Ricarda. Obrigado pela classificação do texto e pela linkada! Bjs

5:47 PM  
Blogger Flávio said...

Engraçado, Clara... eu só tinha vergonha de chorar qd era pequeno. Dá pra acreditar? :)

5:49 PM  
Blogger Flávio said...

Clarinha, acho que a idade não aprimora apenas a maturidade, mas tb a sensibilidade, sim; é mais difícil, para a urgência da juventude, deter-se por um longo tempo, mesmo que seja para contemplar o belo... ;)

5:52 PM  
Blogger Flávio said...

Anônimo, vou aproveitar, sim! Mesmo que ser feliz não seja deste mundo, pelo menos a emoção do belo nos traz a sensação de felicidade... :)

5:55 PM  
Anonymous Serbon said...

2light time!
eu tbem não sabia dessa!

e já que somos meio velhinhos,
"Twlight Time" , com The Platters!!!

6:04 PM  
Blogger Flávio said...

Serbon, é exatamente essa! A gravação definitiva! :)

6:08 PM  
Blogger Rita Contreiras said...

Não há só perdas com o passar do tempo, eu, particularmente vejo muito mais ganhos. A alma fica mais aberta à percepção do belo, do essencial.Vc é uma pessoa muito bonita, muito especial e tem o dom de conseguir com suas palavras despertar emoções, transmitir sensações...Quanto à pergunta feita...: a terra transforma tudo, recicla. O universo trasmuta o que precisa ser transmutado. Uma pessoa desapegada e feliz colabora para o equlíbrio do meio ambiente. Um abraço cheio de carinho.

9:48 PM  
Blogger luma said...

Emocionar-se com o espetáculo da natureza não é estar ficando velho, é estar consciente da sua inserção no mundo. Tornar-se por assim dizer, um ser integral.
Boa semana! Beijus

11:34 PM  
Blogger Flávio said...

Rita, com certeza temos ganhos com o passar do tempo. A pressa de viver se desfaz no aprendizado de sentir a vida... ;)

12:08 AM  
Blogger Flávio said...

Ah, Rita, quase esqueço: qt à pergunta... gostei da resposta! :) Bjs

12:10 AM  
Blogger Flávio said...

Com certeza, Luma: é também através dos olhos, que a beleza nos fala ao coração! :) Bjs

12:14 AM  
Anonymous Flavia Sereia said...

Nossa chorar vendo um filme do Chuck Norris? hehehehehe só homens mesmo!!

Se tiver chovendo é pq vc é pé frio mesmo hehehehe

bjs

1:41 AM  
Blogger Flávio said...

Xará, vc não acha que ver o Chuck Norris "representando" é de doer? :) Qt ao pé frio, depois te digo! :)

8:05 AM  
Anonymous marconi leal said...

Ih, Flávio, emocionar-se em filme do Chuck Norris é caso grave. Quando isso me acontece, tomo um Rivotril... risos.

2:55 PM  
Anonymous Serbon said...

gente, vocês estão mexendo com o Chuck Norris???? piraram??? quando Deus disse faça-se a luz, Chuck Norris respondeu: "diga por favor!"
ele é o único que vai no Burger King, pede um BigMac e é atendido!!!

já leram o Chuck Norris facts???

4:42 PM  
Blogger Flávio said...

Pois é, Marconi... por isso mesmo que fiquei preocupado. Acho que o próximo passo é pleitear um Oscar para o Steven Segal! ;)

6:17 PM  
Blogger Flávio said...

Já li, sim, Serbon... mas acho que ele não vai ter tempo de reparar em mim, porque tá construindo uma prancha de surfar em tsunamis! ;)

6:19 PM  
Anonymous Chuck Norris said...

tá me tirando, mano???

9:26 PM  
Blogger Flávio said...

Chuck, de jeito nenhum... pelo menos, não até aumentar o meu seguro de vida! ;)

10:44 PM  
Blogger Hera said...

Flávio, que post lindo!!! Olha, eu acredito muito que a via é muito simples, nós é quem complicamos ela. Então, as coisas mais gostosas da vida são bem simples, como apreciar um por do sol. Beijos e parabéns

10:15 AM  
Blogger Flávio said...

Hera, obrigado pela opinião... mas lindo, mesmo, foi aquele momento! Vc viu a foto? :) Bjs

4:22 PM  

Postar um comentário

<< Home