8.29.2006

A PONTE DO NADA PRA LUGAR NENHUM


É... como poeta, acho que não agradei. Por outro lado, já sei que fiz alguns amigos na blogosfera. Embora quase ninguém tenha elogiado meu lindo poema do último post, os amigos ficaram preocupados com meu eventual banzo. O que mostra que ainda não estamos insensíveis.

A verdade é que ninguém está livre dos percalços da existência. As merdas e problemas, não precisamos ir comprar no armazém da vida; o destino entrega em domicílio e não cobra taxa extra. Coisa parecida fazem as emissoras de TV, com o horário eleitoral e a maioria dos seus programas, mas isto é outra história; e sempre podemos desligar a TV.

Entretanto, não podemos abaixar a cabeça; principalmente se estivermos na frente da guilhotina. É preciso sacudir a poeira e dar a volta por cima; por baixo, comprovam as pesquisas, dar voltas é sexualmente perigoso.

Adoro esses lugares comuns e frases feitas; aliás, já dizia meu professor de redação que eles são a salvação dos escritores medíocres. Como as vogais são a salvação da música baiana; já imaginou, uma música de axé sem "ááááááá, êêêêêe, ôôôôôôô"? Não ia pra lugar nenhum e perdia metade da "letra", meu rei!

Portanto, hoje vou usar e abusar deles. Digamos que sou uma espécie de Ronaldo Fenômeno dos blogs, voltando a campo sem estar totalmente recuperado; ele nunca está. Aliás, a comparação se torna mais procedente, se considerarmos que, pela primeira vez na vida, estou atingindo os 77 kg e meço apenas 1m75. Tudo bem; quem sabe, assim alguém me chama de "fofinho"? Se bem que, com a sorte que ando, é mais fácil me confundirem com o Fofão!

Hoje, eu pretendia continuar a abordar o tema "violência", mas isto seria uma violência contra mim mesmo; ainda não estou pronto. Por isto, apenas como um aquecimento pré-jogo, resolvi fazer este post, sem falar de nenhum assunto específico; como na piada, "uma ponte do nada pra lugar nenhum".

Assim, este é só para ver se ainda sei manejar a língua e, por favor, poupem-me dos trocadilhos indecorosos; a língua a que me refiro é o idioma. Que isto fique bem claro, principalmente para você, mano Serbon!

Este é o meu post do nada para lugar nenhum. Mas, para que vocês não percam a viagem, dêem uma olhada no blog da Rita. Uma coisa que me orgulha, no Opiniaum, é que os nossos comentaristas escrevem melhor do que eu; mesmo os que não têm blogs, são excelentes redatores. Posso recomendar qualquer um, sem susto.

Como hoje continuo meio poético, recomendo a Rita. Poesia pura.

E bem melhor que a minha!

24 Comments:

Anonymous Júnior said...

Esse sim. É você de volta! Mas já comentei o outro também, você viu?

9:20 PM  
Anonymous Anônimo said...

Flávio gosto quando vejo as pessoas sacudirem a poeira e continuar a luta. Aliás, estou ficando perita neste assunto. Quanto mais fofocamos as feridas, mais elas vão doer. Ninguém passa pela vida sem que algo desagradável lhe aconteça. Por isso, precisamos ter coragem pra seguir adiante. Fico feliz pela sua tomada de consciência.
O poema mais lindo do mundo, aos meus olhos, fica horrível, quando os escritores se consideram expurgos da humanidade. Confesso que já tive minha fase, (embora não tenha chegado a tanto).
É difícil aceitar algumas coisas, sei bem disso! E, precisaríamos ser muito frios, pra não nos abalarmos com elas, porém, temos que saber lidar com as adversidades e trabalhar nossas emoções pra não sucumbirmos juntos. É complicado, mas estou feliz por você.

10:44 PM  
Anonymous junior said...

Meu, não sei se aconteceu alguma coisa, mas se aconteceu, é isso aí, sacode a poeira. Eu gostei da sua poesia sim, apesar de não ser um bom critico de poesias. rss
Precisandod e alguma coisa amigão, é só dar um grito.
Abração

10:47 PM  
Blogger Flávio said...

Júnior, os dois "somos" eu. :) Já ouviu falar em yin e yang? :) Aliás, nem sei se é assim que se escreve...

11:25 PM  
Blogger Flávio said...

Anônimo, Deus me livre de me considerar expurgo da humanidade; sei que tem gente bem pior, sem falsa modéstia. Mas, realmente, é dificil aceitar com filosofia as coisas, qd acontecem conosco... ;)

11:28 PM  
Blogger Flávio said...

Júnior, viu vc? se eu não provocasse, ninguém ia dizer se ela tava boa ou não... se bem que poesia, sinceramente, não é minha praia! Reconheço.

11:29 PM  
Anonymous A Outra said...

Apareça lá em casa, querido! :)

2:54 AM  
Anonymous cilene said...

Meu amigo se vc nao tiver talento pra escrever ..imagine eu..seu texto e excelente...espero que vc melhore..e venca os barreiras que agora aparecem.

3:19 AM  
Blogger Paulinho said...

Somente para registrar que eu li todos os posts e comentários colocados neste blog nos últimos três meses, mas as vezes não dá para comentar.

9:16 AM  
Blogger Flávio said...

a outra, da ultima vez que atendi a um convite desses, precisei sair correndo e ainda meio peladão. Mas, como é vc... vou lá, sim! :)

10:15 AM  
Blogger Flávio said...

Cilene, brigadão... pela opinião e pelo incentivo. Eu realmente não acho que escrevo mal, mas... graça a Deus, comentando aqui no Opiniaum só tem fera! :)

10:17 AM  
Blogger Flávio said...

Paulinho, só pra registrar que às vezes não dá pra comentar seu comentário. :) Abração.

10:28 AM  
Blogger Cristiano Contreiras said...

Que bom ver minha tia e amiga indicada por aqui. O La Loba é realmente fantástico.

abração

12:09 PM  
Blogger Flávio said...

Cristiano, eu imaginei, mesmo, que houvesse algum parentesco. Mas o Bonequinho tb é muito legal; aí, parece que o talento é de família! :)

12:36 PM  
Blogger Rita Contreiras said...

Quero antes de mais nada agradecer a indicação do meu blog e dizer que é muito bom saber que o que escrevo pode fazer bem a alguém.Com relação ao post anterior vi muita beleza, apesar da tristeza e acho que não temos obrigação nenhuma de corresponder ao que esperam de nós. Podemos ser tudo, podemos ser felizes ao extremo num dia e chorar no outro. Que a nossa tristeza seja respeitada, o nosso humor seja respeitado,o nosso nada com coisa nenhuma seja respeitado. Seja tudo! Os amigos toleram, compreendem, mesmo os virtuais. Mas se ame em todos os momentos, se aceite, se acolha e depois vá ao espelho e diga: Você é o máximo, é único, não há cópias. Dê um belo sorriso pra vc e vá em frente.Um grande abraço com muito carinho.

1:37 PM  
Blogger Marcia said...

Flávio como poeta você da um ótimo blogueiro :)

4:31 PM  
Anonymous Desassistidas said...

Olá Flávio, bem li o seu post inteiro, realmente não sai do lugar, mas me diverti mto.
Realmente os músicos Baiano atropelam as nossa língua.
abraços,
THA

5:16 PM  
Blogger Flávio said...

Rita, obrigado. Na verdade, há algum tempo escrevi que a inspiração só entra em nossa alma através de duas portas: a tristeza ou a felicidade. E, pior, normalmente é através da primeira! Mas quem escreve sabe disto... :)

5:50 PM  
Blogger Flávio said...

Caramba, Márcia... mais uma vez, estamos de pleno acordo!... ;)

5:51 PM  
Blogger Flávio said...

THA, então a ponte atingiu o objetivo! :) Qt aos músicos baianos... já imaginou, eu que moro aqui?! ;)

5:52 PM  
Anonymous Serbon said...

Flavio, o poema agradou sim. foi tão convincente que sentimos que vc estava, digamos, macambúzio, jururu, down, de banzo, de calundú, etc...

ou o poeta é um fingidor, que quase não sente a dor que sente???

6:32 PM  
Blogger Flávio said...

Mano Serbon: Só naquele poemazinho vcs perceberam tudo isso? Imagina se eu escrevo um livro!... :)

8:03 PM  
Anonymous Blogue da Magui said...

Nao seja modesto. Vc escreve bem de forma rapida, leve e moderna. E a vida , meu caro, nao e um a linha reta.

9:53 PM  
Blogger Flávio said...

Magui, graças a Deus a vida não é uma linha reta! A minha fixação sempre foi nas curvas...;)

10:15 PM  

Postar um comentário

<< Home