5.15.2006

CRÔNICA DE UMA GUERRA ANUNCIADA

Há certas coisas com as quais não dá pra brincar.

Como a atual guerra entre polícia e bandidos, em São Paulo. Uma guerra que ganha as ruas da cidade, alterando as vidas de seus habitantes e apavorando os cidadãos que cumprem suas obrigações e pagam os seus impostos.

Afinal, para que pagamos impostos? A falência da saúde e da educação públicas já é notória e inegável; os buracos nas ruas e estradas fazem a felicidade de oficinas e borracheiros por todo o país. E, agora, o povo de São Paulo não tem a mínima segurança para sair de casa.

É uma completa inversão de papéis. Presos, os bandidos estão mais livres que os homens de bem. É um verdadeiro absurdo que, de dentro das cadeias, os chefões continuem a comandar as suas quadrilhas; que transformem em reféns do medo os habitantes de uma grande metrópole.

É um retrocesso no tempo. Parece que voltamos à época em que os vikings, os hunos e outros bárbaros assaltavam cidades inteiras, pegando o que bem queriam. Séculos de civilização são perdidos, leis e justiça perdem a razão de existir.

Como chegamos a este ponto? É uma pergunta que merece ser feita. Como as autoridades constituídas permitiram ao crime um progresso tão grande, uma organização tão cuidadosa que supera as instituições oficiais que deveriam reprimí-lo?

E a resposta é a mesma de sempre: corrupção e incompetência. São elas que aumentam a desigualdade social; que fomentam a miséria, fermentando a violência. Pagamos pelos erros daqueles que nos governam; e talvez isto seja justo, porque somos nós que os elegemos.

Segundo Heloísa Helena, que é meio maluca, mas bem informada, este ano a verba federal para segurança pública foi cortada em 48%; ou seja, reduzida quase à metade. Segundo o jornal do UOL, existem R$ 297 milhões no fundo penitenciário, que o governo prefere usar para garantir o superávit primário, deixando as cadeias superlotadas como verdadeiros barris de explosivos.

Não temos dinheiro para a segurança. E gastamos R$ 10 milhões, para ver como um grão de feijão germina num algodão, no espaço sideral. Pagamos mais de R$ 150 milhões num avião presidencial e R$ 18 milhões para reformar um palácio do governo. Mas não pagamos salários justos aos policiais, para que seja mais difícil corrompê-los.

Sabem por que o governo de São Paulo não aceitou a ajuda oferecida pelo governo federal, neste momento de crise? Eu também não sei, mas tenho um raciocínio interessante: este ano, a eleição será polarizada entre Lula e Alckmin, cujo calcanhar de Aquiles, no bom governo que realizou, é exatamente a questão da segurança pública.


Já pensaram como esta ajuda seria benéfica a Lula e prejudicial para o Alckmin, durante a campanha? Até já vejo a frase: “Lula precisou dar jeito na segurança de São Paulo, porque nem isto Alckmin soube fazer”. Creio que foi esta a razão da recusa.

Agora, o nosso bom presidente diz que “Ninguém vai ser mesquinho de usar esta tragédia na campanha”, mas vamos ver no futuro, conforme se comportem as pesquisas. Guardem esta pedra, que estou cantando; já cantei algumas certas no passado, inclusive a absolvição dos mensaleiros.

Porque é assim que funciona a nossa política.

E é por isto que chegamos a este ponto...



Foto disponibilizada pelo site do UOL. Realmente, não dá para brincar com uma cidade dominada pelo medo...

20 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Flávio, fatos lamentáveis mesmo. Infelizmente, Segurança Pública é encarada como irrelevante, pois, só repercute internacionalmente, quando (por desacerto do governante), acontece algo dessa natureza. Ainda assim, cada um procura tirar proveito da situação de alguma forma. Políticos legislam em próprio benefício e já prevendo as próximas eleições. Dessa forma vão priorizando aquilo que possa vir a beneficiar o bolso e a urna. Qual deles está preocupado com o povo, e com as conseqüências desses descasos?

7:47 AM  
Blogger Flávio said...

Anônimo, é assim mesmo. Mas eles deveriam se preocupar, viu? Esse pode ser o ultimo prego no caixão do Alckmin...

12:11 PM  
Blogger Paulinho said...

E ainda tem aquele coronel dizendo que o pânico era gerado pelos boatos espalhados de forma irresponsável. Boatos?

1:52 PM  
Blogger Flávio said...

Paulinho, acho que é a primeira vez, na história, em que boatos são filmados, fotografados e gravados... :)

4:18 PM  
Anonymous Vanessa said...

Flavio, o que mais me preocupa é que com isso o PCC e essas siglas que os antropólogos juravam ser apenas ficticias povaram que nao só tem um altíssimo poder de fogo (coisa que a gente já sabia), mas também de articulacao e organizacao.

Existe uma certa inteligencia por trás que pelo que andei ouvindo até leitor de Sun Tzu é. Eles usaram tática de guerrilha, como a boataria que fragilizou mais ainda a populacao e a polícia, e isso é muito sério. A margem a questao política, ou completamente metida nela, a gente está completamente refém de uma polícia nao só menos armada como menos inteligente. De arrepiar.
Beijos,
Vanessa

4:21 PM  
Anonymous Serbon said...

Flavio, só não concordo em dizer que o Alckmin fez bom governo; não o fez. não conseguiu sair da sombra do Covas, cortou investimentos em Educação, a Segurança chegou a esse ponto e o cara, que posa de bonzinho, abafou 69 CPIs na assembléia legislativa.
sem contar a arrogância dele e do seu staff. o Furukawa agora respondeu assim aos jornalistas, que perguntavam se houve acordo e porque os ataques pararam:
"não sei, pergunte aos atacantes."
ele é um engodo. a única coisa boa é que nossa primeira-dama era pelo menos gostosa...

4:47 PM  
Blogger Flávio said...

Vanessa, com certeza o PCC, o CV e outras siglas ditas "fictícias", funcionam bem melhor que PT, PSDB, PFL e todas essas sopas de letrinhas que identificam os partidos políticos. São mais organizados, mais objetivos e talvez até mesmo mais honestos entre eles. Aproveitaram o descuido dos governantes e hoje são, sem dúvida, um poder paralelo. Nós, o povo, somos reféns entre duas quadrilhas: os políticos e o crime organizado. Obrigado pela visita; volte sempre, viu? :)

9:11 PM  
Blogger Flávio said...

Serbon, vc que mora em S. Paulo é, com certeza, bem mais habilitado que eu, para avaliar o governo do Alckmin; dele tenho conhecimento apenas pela mídia, que muitas vezes distorce as coisas. Mas concordamos em dois pontos: a fraqueza na segurança pública e a gostosura da madame Alckmin; ambas saltam aos olhos... ;)

9:19 PM  
Anonymous Rappha said...

Professor, e olhe que a polícia de São Paulo é bem equipada. Já pensou se acontece um lance desse aqui na Bahia?

9:36 PM  
Anonymous Serena said...

Você escreve mal desse jeito e eu é que tenho merda na cabeça?

11:20 PM  
Anonymous Anônimo said...

Oie Serena, ta ficando viciada, heim!!! Continue insistindo. Cultura também é um bom remédio pra cabeça. Quem sabe seu conceito não muda?

4:38 AM  
Anonymous Serbon said...

mestre Flavio, a mídia é tucana, e vendeu uma imagem de gerentão do Alckmin, que, podemos ver, não corresponde à realidade. é só ver como ele anda gerenciando a campanha dele. O Rapha levantou uma lebre e eu completo aqui - teve algo semelhante em Salvador quando as polícias entrarma em greve. não lembro o ano, mas foi o caos.

E parabéns pela nova ombudsman do seu blog, a Serena. quando eu quiser reclamar de algo no Opiniaum vou mandar uma carta pra ela.

9:26 AM  
Blogger Flávio said...

Rappha, tavamos lascados! A sorte é que "Deus dá o frio conforme o cobertor" e por isto os bandidos daqui não são tão organizados, nem bem equipados! :)

12:31 PM  
Blogger Flávio said...

Serena, querida, vc queria ter exclusividade no recheio, é? ;)

12:32 PM  
Blogger Flávio said...

anônimo, acho que no fundo, no fundo, a Serena tem bom gosto, sim. Já reparou como ela sempre lê o nosso blog? :)

12:33 PM  
Blogger Flávio said...

Mano Serbon, houve mesmo uma greve policial aqui. Mas, creia, o rebu não chegou à quarta parte desse de S. Paulo; questão de proporções, talvez. Qt à Serena e ao Alckmin, acho que vou emprestar nossa chata de estimação pra fazer a campanha dele; talvez assim decole. Não sei como ombudswoman (isso existe?), mas como marketeira a bicha é boa; duplicou a visitação do blog! :)

12:40 PM  
Anonymous Serbon said...

Serena, como vc é? estou tendo fantasias sexuais com vc... estamos numa ilha deserta da Polinésia....estamos nós dois numa tenda, iluminada por tochas,servidos por eunucos...
wow! vc tira seu sarongue, ao som de "la Traviata", assobiada pelo Kenny G. com fundo de tambores sensuais da África....hmmmmmmmmmm....
;)

7:48 PM  
Anonymous Anônimo said...

Serbon, não me dei com seu comentário sobre a fantasia, morri de rir. Tambores sensuais da África. Essa foi longe kkkkkkkkkk A Serena deve estar louquinha pra realizá-la. Dá até um romance; O Despertar da consciência sexual. Profundíssimo!!!

8:24 PM  
Anonymous Serbon said...

hehehehe... tem mais...
Serena, eu e você numa cobertura em Manhattan.
ao fundo o skyline de NY...
Chet Baker no CD, uma Don Perignon geladinha para nós dois...
você derrama a taça entre seus seios, e eu vou sorvendo em longos e gulosos goles...
hmmmmmmmmmmmmmmm....

8:41 PM  
Blogger Flávio said...

Serbon, tenho a leve impressão que vc tá querendo traçar a Serena. Por isto, preciso perguntar: tuas vacinas tão em dia, principalmente a contra raiva? Porque, desta vez, ela te morde! :)

1:18 AM  

Postar um comentário

<< Home