11.22.2006

UMA HISTÓRIA MEIO SUJA...



Como eu não ando querendo pensar em nada sério, aqui vai mais um causo dos meus tempos de funcionário do BB, no interior baiano.

O Roberto era um colega brincalhão, amável gente boa. Mas sofria de uma prisão de ventre, crônica e brava; só de vez em quando, com muita dificuldade, conseguia aliviar as tripas. Lembro-me de uma vez em que ele me dava uma carona (de fusca), entrou apressadamente na rua principal e um caminhão enorme buzinou forte, bem atrás da gente. Ele falou:

- Oba! Vou comprar a buzina!

- Pra que, cara?

- Beleza! Me caguei todo! E isso é raro...

Era brincadeira, claro, mas isso dá uma boa idéia do problema. Segundo ele, a vontade só vinha uma vez por semana, em média. E era preciso muita concentração, pra conseguir concluir a obra; qualquer zoadinha, qualquer coisa que o distraísse, podia botar tudo a perder. E aí era preciso esperar mais uma semana. Mas, quando ele conseguia... bem, aí era uma festa!

E a nossa história ainda tem o Venâncio, que era o servente do Banco. Humilde, dono de um sorriso muito aberto e uma amabilidade incrível. Era aquele cara que, se encontrasse você vinte vezes no dia, lhe cumprimentava nas vinte:”Bom dia, seu fulano. Tudo bem, seu fulano?”. Incrível, mesmo!

Naquele tempo, tinha sido inaugurada uma nova agência. Bonita, grande, com dois andares. E um sábado, de manhã, o Roberto estava na feira, fazendo as compras, quando sentiu a sonhada vontade. Bem forte. Pensou em correr para casa, mas desistiu; estava com visitas, muito barulho. Não teria a concentração necessária.

Foi aí que se lembrou: estava com a chave da agência. Sábado, banco fechado, ninguém por lá. Solidão total, sossego completo. E correu para o banco, antegozando a cagada do século.

Entrou, foi para o segundo andar, inspecionou rapidamente o WC e se decidiu pelo terceiro cubículo: estava limpinho, tinha papel, tudo tranqüilo. Arriou as calças, sentou e se concentrou. Estava quase conseguindo, quando:

- Bom dia, seu Roberto!

Pronto: o obrador trancou. Os cubículos eram naquele estilo de shopping, meia-parede; e, quando o Roberto olhou para cima, lá estava o Venâncio, trepado na escada de ferro que levava para o teto da agência, onde ia lavar os tanques. E repetiu, aquele sorrisão no rosto:


- Bom dia, seu Roberto! Tudo bem, seu Roberto?

Abafou o palavrão e a raiva; respondeu e viu o Venâncio acabar de subir e desaparecer pela portinhola da laje. Em condições normais, teria desistido e ido embora; mas, naquele dia, a vontade era tanta que resolveu insistir.

Procurou relaxar, voltou a se concentrar e, aos poucos, foi conseguindo. Demorou, mas um sorriso satisfeito lhe iluminou o rosto, quando a primeira e sofrida remessa começava a sair para a luz do dia. E então:

- Bom dia, seu Roberto! Tudo bem, seu Roberto?

Era o Venâncio, descendo a escada, de volta da lavagem dos tanques. Daquela vez, travou tudo. E só dez dias depois o Roberto conseguiu destravar.

Ele dizia que, toda vez que sentava no vaso, via a cara do Venâncio...

53 Comments:

Anonymous Dono do Bar said...

Todo bancário é neurótico assim? Meu velho também foi do BB.

Um abração.

DB.

1:06 PM  
Anonymous cilene said...

rsrshehehe..acho que vou comprar essa buzina...rsts

1:32 PM  
Anonymous Márcia(clarinha) said...

hehehe, caraca!!!! que Venâncio fdp, credo!
Tadinho do Seu Roberto,rsss
Suas histórias são hilárias meu querido, faz o trabalho paracer uma festa...
linda noite
beijosssssssssss

5:41 PM  
Blogger Flávio said...

Nem todos, DB... só a esmagadora maioria! :) E o pior é que a gente sai e leva as neuras! ;) Abração

6:21 PM  
Blogger Flávio said...

Cilene, aí na Noruega... acho que ela serviria até pra nevoeiro! :)

6:22 PM  
Blogger Flávio said...

Clarinha, pior que são todas verdadeiras. Mas naquele tempo, no BB, a gente se divertia muito mesmo! Principalmente no interior... :) Bjs

6:23 PM  
Blogger Ricardo Rayol said...

ahahahahahahahahahahahahaha estou me cagando de rir...

7:40 PM  
Anonymous junior said...

Eu eu to quase me cagando de rir aqui, e olha que isso é raro. ahahahaa
Abração irmão

8:01 PM  
Anonymous Clara said...

Hoje não deu tempo de ler o "causo", mas volto pra conferir, ta, querido?

Beijo.

8:23 PM  
Blogger Flávio said...

Ricardo, pois é... esse processo (o da risada,)o Roberto não tentou! :)

11:14 PM  
Blogger Flávio said...

Júnior, raro? Não vai me dizer que vc tb sofre que nem o Roberto! ;) Abraço grande, mano!

11:15 PM  
Blogger Flávio said...

Clara, volta mesmo... esse vale a pena! :) Bjs

11:16 PM  
Anonymous Júnior said...

Flávio, na verdade uma boa prisão de ventre é algo meio chato. Eu sei,porque tenho de vez em quando. Mas a história é ótima! rsrs

12:32 AM  
Anonymous Lourdinha said...

Histórias não escritas do BB !!!!!
Caramba! Que resgate sensacional!!!!
Continue, por favor! Vamos lembrar do tempo em que o BB era feito por gente!!!! Um tempo em que máquinas apenas complementavam o trabalho...
Velhos tempos...belos dias!!!!!
A-do-rei !!!!!!!!!!!!!!!!
Beijins

12:41 AM  
Anonymous gabriel said...

Muuuuuuuito boa a história... ahhaha, fiquei com dó do coitado do Roberto... ^^

Vim aqui por indicação da Anne, gostei mesmo, vou voltar mais vezes!!!

Abraços!

9:12 AM  
Blogger Tina said...

Flavio: suas histórias são hilárias! rs Acho que você deveria escrever um livro.

beijos querido, bom dia!

9:18 AM  
Blogger Claudio said...

Adorei. E olha a coincidência: vc fala de cagada e eu ublico um post sobre papel higiênico contra hemorróidas.

Passa lá no JCF e confere.

abração

12:08 PM  
Anonymous Ammie said...

eu prometo que volto pra comentar quando eu conseguir parar de rir...
auahauahuahauaha

bjus

12:44 PM  
Blogger Jéssica said...

Ahhhhh, demorô...acho q todos temos um Venâncio na vida, pra ficar pensando...justo nakela horinha fdm...rs...
agrhhhhhhhh
ecaaaaaaaa
econaaaaaaaa
Vc é d+ necis causu
Não diri q tô q nem o Ricardo... mas chegou perto....rs...
Afe....rs...
Beijossssssssss

12:50 PM  
Blogger luma said...

Eu matava esse Venâncio!! kkkkkk
Beijus

1:46 PM  
Blogger Rita Contreiras said...

Que situação!!! Parece-me que o BB foi cenário rico em histórias cômicas. Vou ficar esperando o lançamento desse livro, mas é bom se certificar de quem ainda permanece por aqui, pois vc pode correr risco de vida por fazer tantas revelações.Bjs.

2:00 PM  
Blogger Flávio said...

Júnior, desse mal eu fui poupado! Mas foi graças a ele que nasceu essa história. ;)

2:08 PM  
Blogger Flávio said...

Lourdinha, eu sei umas 300 desse tipo. Se o BB patrocinar, eu escrevo! Vc, que era graúda no marketing... ative seus contatos. :) Eu topo... e vale a pena. Eram tempos realmente muito bons! :) Bjs

2:10 PM  
Blogger Flávio said...

Gabriel, obrigado. Bom saber que vc gostou! Pelo jeito, só o Roberto que não ficou muito satisfeito... :) Abração

2:17 PM  
Blogger Flávio said...

Tina, querida, já escrevi 5... e ainda não arranjei coragem pra publicar o quinto! :) Mas brigado pela força, viu? Bjs, Bom resto de semana!

2:18 PM  
Blogger Flávio said...

Cláudio, vou lá conferir, sim. Não perco os causos do JCF! :) Abraço grande

2:19 PM  
Blogger Flávio said...

Ammie, volta mesmo... mas essa risadona já me deixou feliz! :)Bjs

2:24 PM  
Blogger Flávio said...

Jess, é engraçada mesmo essa história,não é? Eu ainda rio, quando me lembro do Roberto contando esse lance! :) Bjs

2:25 PM  
Blogger Flávio said...

Luma, que dá vontade... dá mesmo! Quem já se viu numa situação desas, bem pode calcular! :) Bjs

2:26 PM  
Blogger Flávio said...

Rita, o BB daquele tempo era realmente o máximo! Uma mentalidade de amigos, de colegas... acredito que vc ainda lembre da convivência, embora vagamente. Qt à minha segurança... eu conto o milagre, mas não dou o nome completo do santo! ;) Bjs

2:28 PM  
Blogger Marcia said...

Flávio eu confesso que também não posso ter um "venâncio" na minha vida, hahahaha

Eu ja contei um causo parecido, lá no blog, mas não lembro quando. Se eu achar eu te mostro :)

Bjs

3:13 PM  
Anonymous Serbon said...

Flavio, assim não vale.
muito boa essa série 'causos do BB", pena que foi depois que fechei a enquete!!!
seria legal uma sitcom só com essas histórias...

4:29 PM  
Anonymous Serbon said...

e me fez lembrar o "Complexo de Portnoy", do Philip Roth. o pai do protagonista é judeu, e sofria de prisão de ventre. o velho entrava no banheiro, ficava a manhã toda. se entupia de ameixas e bebia laxantes e... saíam míseras badalhocas. o livro é ótimo.

4:31 PM  
Blogger Flávio said...

Bem, Márcia... então vc pode entender o drama do Roberto, né? ;) E se achar sua postagem, mande, sim. Vc contando um lance desses... deve ser o máximo! ;)

6:25 PM  
Blogger Flávio said...

Serbon, esquenta não... a tua seleção pra enquete só tinha feras! Qt ao site próprio, é uma boa ideia, sim! E o livro... já li! É muito bom, concordo! :)

6:29 PM  
Blogger Marcia said...

Não é igual, mas é parecido :)
http://hajimemashite.blogspot.com/2005_10_01_hajimemashite_archive.html

é do dia 14/10

7:11 PM  
Blogger Flávio said...

Márcia, já li!:) Mas se o Roberto, além desse problema, ainda tivesse hemorróidas... vixi Maria! ;)

8:07 PM  
Anonymous Anne said...

hahahahahahh
pobrezinho!!!!
não tinha lactopurga naquele tempo não? ou o tal iogurte "activia" se não me engano é esse o nome.... hahahahaha
beijoooooooo

11:32 PM  
Blogger Flávio said...

Anne: lactopurga não tinha, não. O mais usado era o Leite de Magnésia. Mas, segundo o Roberto, nele não fazia nem cócegas! :) Bjs

12:11 AM  
Anonymous marconi leal said...

Rapaz, eu é que quase me obro todo aqui de rir! Muito engraçado.

3:26 AM  
Blogger Flávio said...

Marconi, essa foi de doer! Literalmente... ;)

9:12 AM  
Blogger Vera Fróes said...

Flávio, coitado do Roberto. Não tenho o problema mas conheço pessoas que tem e é triste. Agora, vamos combinar que o Venâncio é uma mala sem alça.

Bjos.

1:32 PM  
Anonymous Chris said...

Meu, isso era um banco mesmo? hahaahhah Tem de um tudo lá! hehhe Brincadeira, meu irmão foi bancário por muitos anos e ele sempre tinha histórias engraçadas mesmo! um dia conto alguma!

Boas risadas como sempre!

Bom finde! =D

1:54 PM  
Anonymous Serbon said...

Flavio, me conta uma coisa - se o tal Roberto ficava 10, 15 dias, entupido, imagina trabalhar ao lado do cabra? porque ele devia trabalhar cheio de gás, né?pelo menos até a sessão de descarrego...
bleargh!

4:11 PM  
Anonymous Clara said...

rs... tadinho do seu Roberto...heheheheheh

Beijo,querido.

4:21 PM  
Blogger Flávio said...

Vera, com certeza! O Venâncio era aquele cara tão delicado que chega a ser chato! :) Bjs

6:34 PM  
Blogger Flávio said...

Chris, pode acreditar! Mas o negócio, tb, é que em cidade pequena se sabe a vida de todo mundo, né? :) Bjs, bom fds

6:36 PM  
Blogger Flávio said...

Serbon, agora que vc perguntou, eu fui pensar... e não me lembro que alguém do Banco tenha comentado. Acho que o pessoal dele sofria era em casa, mesmo! :)

6:37 PM  
Blogger Flávio said...

Clara, tadinho mesmo. Mas pelo menos o lance fez a gente rir, né? :) Bjs

6:38 PM  
Blogger Mago said...

fala sério, seria melhor ele comprar umlaxante ir a um médico, ficar sofrendo não dá heheh um baraço e pô o cara tinha que dar bom dia toda hora?

7:56 PM  
Blogger Flávio said...

Mago, o Venâncio tinha mesmo essa mania... e era um saco! ;)

10:41 PM  
Anonymous Enoisa said...

rsrsrsrs Coitado do Roberto! Será que ele continua vendo o seu Venâncio?? rsrsr Bjs!

11:46 PM  
Blogger Flávio said...

Enoísa, andei adoentado e só hj vi o seu comentário. Par ao bem do Roberto, esperemos que não, né? ;) Bjs

1:11 AM  

Postar um comentário

<< Home