3.01.2006

ATAQUE DE NOSTALGIA



OK, talvez seja apenas um saudosismo besta. A verdade é que, aos 58 anos, eu provavelmente não sairia de casa para ir ao carnaval, nem que fosse como no meu tempo.

Mas não posso evitar uma sensação de perda. E a impressão de que estamos abadonando uma grande parte da nossa cultura. Ou talvez fosse mais exato dizer: substituindo-a por outra cultura.

No meu tempo, o carnaval aqui na Bahia era mais uma festa em clubes. A gente ia para a Avenida, durante o dia, apenas para zoar com a galera ou paquerar as meninas; uma espécie de aperitivo, se é que me entendem.

À noite, de banho tomado, vestia a fantasia ou o short e a camiseta e ia para o clube. Aí, é que rolava mesmo; entre cuba-libres ou doses de conhaque (a depender da grana), a gente brincava até o dia raiar, ao som daquelas músicas de antigamente.

E que músicas! Bandeira Branca, Máscara Negra, A Noite é Linda, ou as mais animadas: Corre Corre Lambretinha, Índio quer Apito, Pó de Mico e muitas outras. A verdade é que, animadas ou não, as músicas eram mais lentas do que hoje; dava pra revezar o sambão com uma dança bem agarradinho.

Muitas das letras eram bem românticas; isso também facilitava e era mais fácil a gente se armar. Muitos namoros começavam no carnaval; é bem verdade que tantos outros acabavam, mas isso é outra história. Como naquela famosa música Até Quarta-Feira.

Também na Avenida era diferente. Não havia Trio Elétrico e o som dependia dos blocos, que não desfilavam todos na mesma hora. Assim, quando um bloco passava o povão (que não tinha dinheiro pra clube) aproveitava pra sambar e muitos acompanhavam. Tendo passado o bloco, voltava a quietude, até que o próximo chegasse.

Na verdade, eu vi nascer o Trio Elétrico. Por coincidência, morava perto do lugar onde ele foi criado: uma vila humilde, de casas pequeninas. Ainda me lembro da surpresa, quando vi pela primeira vez na rua aquele carro antigo (se não me engano, um Citroen ou Ford), preto, sem capota, e dentro dele quatro músicos folgazões tocando as suas guitarras; daquela primeira vez, apenas a garotada acompanhou o cortejo.

Hoje, os Trios Elétricos são quase transatlânticos sobre rodas: palcos, camarotes, o escambau. Os artistas mais famosos disputam, para desfilar em cima deles; atrações mundiais, como Bono e até um DJ inglês tocam para o povo dançar. E eu pergunto: onde fica a festa do povo?

Blocos, camarotes, tudo custa uma grana; tanto, que o pagamento é dividido em carnês. A alternativa é pular de pipoca, entre a multidão, sem nenhuma segurança; arriscando a ser roubado ou levar uma porrada a qualquer instante. Eu, que curtia tanto o carnaval, hoje fico apreensivo quando meus filhos vão “brincar”; para mim, não é brincadeira... é guerra, mesmo!


O carnaval do Rio, hoje, é apenas o desfile das escolas de samba; uma festa de elite, que o povão apenas assiste, como um jogo de futebol. O de São Paulo, idem idem na mesma data; O carnaval da Bahia (exagero à parte) é quase como fazer um piquenique no Iraque.

Acabaram as fantasias, as mortalhas, as máscaras; a lança-perfume é droga, sujeita à apreensão. As músicas perderam o romantismo. O nosso carnaval, hoje, é um mero espetáculo folclórico, para o turista ver. Ou para alguns descarregarem a agressividade reprimida no resto do ano.

Acabou o Carnaval. Não há mais espaço, nem romantismo, para Arlequim chorar pelo amor da Colombina...


(Ilustração: Paulinho Couto)

16 Comments:

Anonymous Lourdinha said...

Caramba!!! Pensamos a mesma coisa... tivemos a mesma saudade...
Tal qual o confete... pedacinho colorido de saudade, ai, ai ai.. ao rever a fantasia que fiz, confete confesso que chorei!...
Pois é... Ainda bem que as lembranças ficam e tem gente como você, que consegue colocar em letras o que a gente pensa e sente!
Amei o texto!

2:07 PM  
Blogger Flávio said...

Confete, serpentina, o tubinho dourado do lança-perfume...
Pois é, Lourdinha, o tempo passa mas as lembranças ficam. E sempre é gostoso sentir saudade... :)

3:12 PM  
Anonymous Serbon said...

DEPOIS QUE O VISUAL VIROU QUESITO....
como diria Beth Carvalho...
e depois que Clovis Bornay e Evandro Castro Lima viraram purpurina, não tem mais aqueles desfiles de fantasias no Hotel Glória: "Assurbanipal: apogeu e queda do Império Etrusco"...

1:46 PM  
Blogger Flávio said...

Serbon, foi realmente outra coisa que acabou e faz falta. Trejeitos à parte, aquele desfile valia pelo luxo e pela beleza das fantasias. É o ponto: acabou o romantismo...

6:29 PM  
Anonymous paulo said...

Rapaz, eu queria era ter participado desse Carnaval aí que o senhor falou... Mas só de ler o texto, já me senti um pouco menos ressentido.
Um grande abraço.

7:35 AM  
Blogger Paulinho said...

Adorei o texto, mas existe um aspecto do carnaval que me deixa ainda mais indignado: a exclusão. O povo realmente se espreme entre blocos e camarotes e fica impossível reprimir a violência e a revolta gerada pala desigualdade social. O carnaval da Bahia é uma farsa que precisa ser desmascarada para o bem do povo baiano.

P.S.: Outra coisa que me deixa fulo da vida é quando alguém usa uma ilustração antiga que me causa vergonha, mas isso a gente resolve pessoalmente, como se resolvem os problemas na avenida. Beijão, velho.

9:42 AM  
Blogger Flávio said...

Paulo, realmente era gostoso; embora seja possível que a minha nostalgia realce as suas cores. E não desanime... acredito que ainda exista coisa parecida, em alguma cidade menor. Pelo menos, quero crer nisso! :) Abração, valeu a visita!

9:43 AM  
Blogger Flávio said...

Paulinho, a exclusão realmente é uma vergonha. E o pior é que o povo já se acostumou a ser tratado assim.Se não me engano, começou com Portugal. :) Qt às ilustrações antigas, fazer o que, se meu ilustrador é muito ocupado e não me arranja novas? Mas aquela é boa, sim! ;) Abração

10:47 AM  
Anonymous Anônimo said...

Li várias vezes o texto, talvez tentando recordar lembranças de carnavais da minha infância, quando meu pai encostava o carro, se lembro bem um "ópeo", (sei lá como era mesmo), na Praça da Piedade e com meus irmãos ficávamos em cima dele vendo o desfile dos blocos animados pelas charangas. Haviam muitos mascarados, (que morria de medo), serpentinas e confetes lançados dos carros alegóricos. Alguns clubes carnavalescos me chamavam atenção pelo brilho e animação: Mercadores de Bagdá, Os inocentes, Cavalheiros da Liberdade.
Alguns anos depois vieram os blocos de trio e dessa época lembro muito mais, pois, tenho boas recordações. Quem não lembra do charme dos Internacionais na sua fase áurea? Dos Filhos de Oligo, com suas odaliscas dançando em cima do trio? Hum!!! Como é bom recordar...Olha só, eu era uma delas.
Seu ataque de nostalgia conseguiu nos contagiar. Peguei carona na sua viagem e fiquei feliz por lembrar, que apesar de tudo, aconteceram momentos que fizeram a vida valer a pena.

3:23 PM  
Anonymous permaganato said...

Peguei um pouco deste carnaval que você descreveu. Fica, realmente, uma grande saudade...

Dos desfiles antológicos do Clóvis Bornay, às vezes surgiam fantasias de nomes fantásticos, como "Esplendor multicromático de um imperador oriental num dia qualquer", que ele descrevia ser uma obra que aproveita a dispersão, refração, reflexão, interferência e absorção da luz, abusa do multicolorido etéreo, com traços fluidos e melífluos, integrando a incerteza do amanhecer com a pujança de um entardecer dourado.

A combinação do vermelho-sangue e do verde-piscina produziu um amarelo volúvel que obrigou a um fundo escuro, sufocante e ameaçador, entremeado de lantejoulas lançadas ao léu.

E por aí vai...

4:19 PM  
Blogger Flávio said...

Pois é, anônimo (ou melhor, odalisca anônima:). Corujas, Internacionais e tantos outros. Dos Filhos de Oligo, eu confesso que não lembro, mas qualquer bloco que coloque belas odaliscas em cima do Trio merece minha solidariedade e meu aplauso.;) Saudade daqueles carnavais!

12:54 AM  
Blogger Flávio said...

Permanganato, é por aí mesmo. Lembro-me que as fantasias tinham nomes pomposos e eram divididas em dois grupos: Luxo e Originalidade. Fomos privilegiados, ao viver pelo menos um pouco daqueles carnavais!

12:57 AM  
Anonymous Dom Gustavo said...

Mandou muito bem, Mestre Flávio.

Eu não sabia que o carnaval da Bahia - a terra do axé - um dia foi parecido com aquele do interior de São Paulo, de salão, movido a lança-perfume, corneta e surdo.

Antigamente eram as marchinhas, sacanas como só, e hoje é axé pra todo lado. Até funk carioca já ouvi neste carnaval.

Bons tempos, os das marchinhas, que não voltam mais.

3:57 PM  
Blogger Flávio said...

Realmente, Dom Gustavo, é preciso ter vivido aqueles carnavais, para entender a saudade. Talvez esta seja uma das razões pelas quais não gosto do axé! Lá se foi o romantismo daquelas marchinhas, e toda a graça dos duplos sentidos de algumas, como "A Cabeleira do Zezé" ou "Índio quer apito". Lá se foi o encanto de de borrifar o lança-perfume na odalisca que passava, ou cobri-la de confetes...

10:19 PM  
Blogger I LOVE YOU said...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,性感影片,正妹,聊天室,情色論壇

5:51 AM  
Blogger 日月神教-任我行 said...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,性感影片,正妹,聊天室,情色論壇

3:11 AM  

Postar um comentário

<< Home